Este site usa cookies. Ao selecionar Aceitar Todos estás a concordar com o seu uso.
Apenas os Necessários
Aceitar Todos
Apenas os Necessários
Carrega Enter para pesquisar ou escreva.
Sugestões
Curso Profissional de Fotografia
Curso Geral de Fotografia
Curso Especializado de Fotografia
Porto
Lisboa
Diurno
Noturno
Fim de semana

Pesquisar

Cesto (0)

Menu

Uncategorized

História da Fotografia Digital: Uma Introdução

12 Dezembro, 2023

Share

Longe vão os tempos em que para fazer aquela que se tornou a primeira fotografia conhecida, Nicéphore Niépce utilizou um tempo de exposição de cerca de oito horas. Actualmente, com a fotografia digital, o tempo entre fazer uma fotografia e colocá-la online pode ser de apenas uma fracção de segundo.

A progressiva transformação da fotografia de um meio que se encontrava dependente do desenvolvimento de processos químicos sobre materiais sensíveis à luz para a utilização de tecnologias digitais com vista à captura e armazenamento de fotografias foi um processo lento, cujo início se reporta aos tempos da Guerra-Fria.

Desde o aparecimento da tecnologia digital, a fotografia digital foi sucessivamente sofrendo transformações e melhoramentos, desde logo no que respeita ao desenvolvimento de novas câmeras fotográficas, sensores, formas de armazenamento e transferência de ficheiros e, mais importante que tudo, na qualidade da imagem fotográfica.

A fotografia digital veio revolucionar a forma como fazemos e vemos fotografia e, neste artigo, exploramos a história da fotografia digital.

Nicephore Niepce, View from his Window at Le Gras, 1827. Gernsheim Collection, Humanities Research Center, University of Texas, Austin.

1- O Início

 Podemos remontar a história da fotografia digital ao ano de 1957, no qual o Russel Kirsch produziu a primeira imagem digital num computador. Ao serviço do United States National Bureau of Standards, Kirsch desenvolveu um scanner no qual produziu um imagem digital a partir de uma fotografia do seu filho.

Imagem produzida por Russel Kirsch a partir de uma fotografia do seu filho

Em 1969, George Smith e Willard Boyle dos Laboratórios Bell desenvolveram o CCD (charge-coupled-device). O CCD esteve no centro do desenvolvimento da fotografia digital, pois é o instrumento (sensor) que permite converter luz em sinais eléctricos. Esta invenção constituiu a peça tecnológica chave que conduziu à revolução da fotografia digital. O primeiro CCD tinha apenas 100 x 100 pixels. Em 1973 a Fairchild Imaging iniciou a produção comercial de sensores CCD, os quais se tornaram a base de desenvolvimento do mundo da fotografia digital.

Em 1975 um engenheiro da Eastman Kodak, Steve Sasson, criou aquela a que se pode chamar a primeira câmera fotográfica digital. Sasson utilizou um sensor Fairchild CCD e uma objectiva de uma câmera de filmar da Kodak.

O primeiro protótipo de uma câmera fotográfica digital desenvolvido por Steve Sasson para a Eastman Kodak.

A câmera de Steve Sasson pesava cerca de 4 Kg e apenas produzia imagens digitais a preto e branco que eram gravadas numa cassete. As imagens digitais produzidas tinham apenas 10.000 píxeis e demoravam vinte e três segundos a serem gravadas na cassete.

Esta câmera, que constitui um dos principais marcos no desenvolvimento da história da fotografia digital, não estava ainda minimamente preparada para a comercialização ao público sendo que ainda iriam decorrer décadas até as primeiras câmeras fotográficas digitais atingirem o mercado. Por outro lado, a Kodak centrava todo o seu modelo de negócio na fotografia analógica e nunca apostou verdadeiramente no desenvolvimento da fotografia digital.

No ano seguinte foi alcançado um outro marco na história da fotografia digital quando Bryce Bayer inventou o Bayer Color Filter Array (Padrão Bayer) que permitiu que um sensor registasse imagens a cor.

Representação do Padrão de Bayer

O Padrão Bayer consiste na distribuição de uma malha de minúsculos filtros com as cores primárias (vermelho, verde e azul) por cima do sensor. O Padrão de Bayer continuam a ser usados na maioria das câmeras fotográficas digitais actuais.

Em 1981 é construída a primeira câmera verdadeiramente digital por uma equipa de cientistas da University of Calgary Canada. Foi designada All Sky e desenvolvida tendo em vista fotografar auroras boreais e recorria a um sensor CCD da Fairchild de 100 x 100 pixéis.

Também em 1981 a Sony apresentou a primeira versão da Mavica (abreviatura de Magnetic Video Camera). Apesar de também constituir um marco importante na história da fotografia digital, a Sony Mavica era essencialmente uma câmera de video que conseguia capturar fotografias e não propriamente uma verdadeira câmera fotográfica digital. Esta câmera registava imagens com 0.72 megapixels e guardava até 50 imagens numa disquete.

Recorrendo a tecnologia semelhante à da Mavica, nos Jogos Olímpicos de Los Angeles de 1984 a Canon em parceria com um jornal japonês, o Yomiuri Shimbun, desenvolveu um processo de transmissão de fotografias via telefone. A Canon conseguiu desenvolver a tecnologia que permitiu transmitir, via telefone, dos Estados Unidos para o Japão, fotografias com cerca de 0,4 megapixels.

Em 1986 a Kodak apresentou o primeiro sensor com mais de 1 megapixel. O sensor desenvolvido pela Kodak, de 1,4 megapixéis foi utilizado na câmera Videk Megaplus que se destinava a uma utilização industrial e científica.

Em 1988 a Fujifilm anunciou o lançamento da primeira câmera que guardava informação num cartão de memória. Apesar de ser actualmente de utilização generalizada, esta forma de armazenamento de informação foi na altura absolutamente revolucionária. O cartão de memória utilizado pela Fujix DS-1P possibilitava armazenar a informação correspondente a entre cinco e dez fotografias.

Fujix DS-1P, a primeira câmera fotográfica a utilizar um cartão de memória

2 – Desenvolvimento e Consolidação

No decurso da década de noventa do século passado e na primeira década do século XXI, assistimos a significativos avanços na utilização da tecnologia digital na fotografia e à sua verdadeira implementação no mercado, quer profissional quer amador, da fotografia.

Logo em 1990 a Adobe lançou a primeira versão do Photoshop (em 1989 e Macintosh já tinha lançado um software de edição de imagem, o Color Studio 1.0), o que constitui um importante marco na história da fotografia digital uma vez que este se veio a tornar o software de edição de imagem mais utilizado no mercado e um verdadeiro standard no que diz respeito à edição de fotografias.

Em 1991 a Kodak lançou o primeiro sistema de fotografia digital que tinha em vista a sua utilização por fotojornalistas. Este sistema usava uma câmera analógica Nikon F-3 adaptada com um sensor CCD de 1.3 megapixéis. O sistema recebeu a denominação Kodak Professional DCS 200 IR digital camera, mas ficou comumente conhecido como DCS 100.

O sistema Kodak Professional DCS 200 IR digital camera

No ano seguinte, 1992, a Apple lançou a Quick-Take 100, uma câmera digital destinada ao mercado amador de fotografia e que podia ser ligada a um computador pessoal através de um cabo.

O ano de 1999 marca um outro importante evento na evolução da fotografia digital com a introdução no mercado da Nikon D1. A Nikon D1 é uma câmera fotográfica reflex digital (DSLR). Tinha um sensor de 2.7 megapixéis e permitia a utilização de toda a linha de objectivos F-mount da Nikon. O corpo da câmera era em tudo semelhante ao da câmera analógica F5 o que permitia uma rápida adaptação dos fotógrafos que já utilizavam este sistema à nova câmera.

No ano 2000 a Canon lançou a EOS D30, com um sensor de 8.2 megapixéis e que se caracterizava por ter um corpo pequeno e leve e um modo de fotografia automático que a tornava apelativa a todo o género de consumidores e, nessa medida, ajudou a expandir a utilização da fotografia digital a fotógrafos amadores.

No ano de 2006 a Nikon deixou de fabricar a maioria dos modelos de câmera fotográfica analógica, tendo, a partir daí, focado apenas o desenvolvimento de sistemas fotográficos digitais.

O século XXI marca também o aparecimento dos primeiros telefones móveis com câmera fotográfica digital incorporada e a massificação da utilização da internet, ambos com impactos profundos na forma de fotografar e na utilização da fotografia.

A massificação da fotografia digital e a consequente maior facilidade de manipulação da estrutura de uma imagem fotográfica, veio introduzir muitas questões relativamente à veracidade da fotografia e mesmo relativamente ao seu valor documental. Para alguns, a fotografia digital provocou mesmo uma alteração da natureza do meio fotográfico.

Sublinhamos, contudo, que a possiblidade de alteração da imagem não é um exclusivo da fotografia digital. A manipulação dos factos visuais com vista ao aumentar o seu impacto visual é praticamente tão antiga como a própria fotografia, sendo conhecidos exemplos de tais práticas, por exemplo, em fotografias feitas no decurso da Guerra da Crimeia e da Guerra Civil Americana, no século XIX.

Um exemplo muito conhecido de manipulação do conteúdo factual de uma imagem fotográfica é a fotografia de Yevgeny Khaldei, feita no momento da ocupação do Reichstag pelo exército vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, na qual foram feitas diversas alterações, nomeadamente a remoção de um relógio do pulso de um dos soldados (o segundo relógio no pulso podia ser entendido como tendo sido roubado a um soldado alemão morto, pelo que foi retirado para efeitos propagandísticos, assim como alterados efeitos do fumo e do contraste na bandeira).

Soldiers raising the Soviet flag over the Reichstag, 1945

O impacto da fotografia digital não se fez sentir na sua totalidade até à primeira década do Século XXI, sendo que eventos históricos muito significativos tais como os ataques de 11 de Setembro de 2001 foram ainda na sua quase totalidade fotografados com recurso a câmeras fotográficas analógicas.

A facilidade e rapidez que a evolução de tecnologia digital veio permitir na captura, edição e transmissão de fotografias (acompanhada de uma passagem para um mundo cada vez mais virtual e online), conduziu a que a maioria dos jornais e revistas fizesse a transição da fotografia analógica para a digital.

Um dos impactos mais profundos da fotografia digital foi a proliferação da partilha de fotografias, o que conduziu a uma modificação na definição e concepção de espaços públicos e privados, da forma como interagimos com o que nos rodeia e como partilhamos essa experiência com os outros. Este fenómeno não é singular à fotografia, verificando-se igualmente noutras formas de comunicação e expressão (pense-se nos blogs, na partilha de opiniões e informação via twitter e facebook, etc.).

É difícil prever quais serão as próximas grandes evoluções na fotografia digital. No entanto, podemos antecipar que estarão relacionadas com a forma como a captura digital das imagens nos permitirá afastar cada vez mais da relação óptica com a realidade, entrando no mundo do 3D e da realidade virtual.